sexta-feira, 30 de novembro de 2012

12 filmes para ver antes do mundo acabar: #5 - Os Trapalhões na Guerra dos Planetas. (Brazilian Star Wars; 1978)

Imagem tirada do blog FILMES PARA DOIDOS


Desde que eu comecei a tentar popularizar o termo "didimocozação" que muita gente me pergunta: Mas o que é "didimocozação"? Como faz para definir o índice de didimocozação de uno filme? Buono, quem poderia responder essa pergunta melhor do que eu, é o verdadeiro criador do termo, o blogueiro Chico Barney, mas eu posso tentar ajudar a definir como definir o quanto que uno filme é "didimocozado". Todo índice se baseia em uno parâmetro. Quanto mais perto ou mais longe o seu objeto tiver desse parâmetro maior ou menor será o índice. Eu uso como referência essa pérola máxima da carreira cinematográfica dos Trapalhões.





Quase tão bizarro quanto a versão turca de Star Wars, ao menos nesse filme non há nenhuma grave violação de direitos autorais no que diz respeito à música e a uso de cenas de otros filmes. Non dá para dizer a mesma cosa com relação a personagens pois non tem como non dizer que o vilão non é um sub-Darth Vader nem que Luke Skywalker e Chewbacca non serviram de inspiração para a criação dos heróis desse filme. Forçando uno poquinho podemos achar elementos de Star Wars também em "A Princesa Xuxa e Os Trapalhões", mas isso é assunto para otro texto.

Essa pérola foi dirigida por Adriano Stuart, que também foi responsável por otro filme da "Lista de Fim-do-Mundo" que criei, mas ele non pode ser "incriminado" sozinho. Tem culpa no cartório, o editor, os produtores e também quem escreveu essa porquería, o Dr. Sonrisal Colesterol Novalgino Mufumbo (vulgo Didi Mocó). Quem conhece os bastidores da TV e do Cinema do Brasile sabe que ele  e Adriano brigaram algumas vezes e non deixo de crer que essas desavenças talvez tenham influenciado no resultado final dessa cosa qui.

Vale lembrar que é o primeiro filme de Zacarias, que aqui é apresentado como Mauro Gonçalves, seu verdadeiro nome.


Otra característica desse filme é que é o primeiro que fazem depois de mudarem da Tupi para a Globo. O filme todo foi rodado em formato "videotape" (mais barato e rápido) e depois convertido para 35mm o que o deixa muito mais com cara de "especial de TV" do que de filme



A bagunça já começa logo na abertura. São mais de 5 minutos de una perseguição automobilística até bem filmada, mas sem nenhum diálogo, com a música muito mais alta que o som próprio dos carros e dos tiros e, principalmente, nenhuma contextualização a non ser no final, quando o Dedé (agora você podem ver melhor a semelhança dele com o astro da película turca) diz ao Didi algo como "Tá vendo o que dá mexer com a mulher dos outros?" "Como é que eu ia saber que ela tem tanto namorado assim", responde o Ceará.


Otra cena desnecessária, mas que tem seu apelo cômico ocorre quando, depois de acharem uno lugar para se esconderem, o quarteto resolve tirar uno cochilo e Didi cola una vela em una pedra. Só que a tal pedra era na verdade uno jabuti, que vai andando até o Dedé e acaba queimando o Trapalhão (e a cena é tão tosca que dá para ver claramente que se trata de uno dublê pegando fogo). Aí que Didi aparece em cena com aquilo que se tornaria sua marca registrada nos próximos 34 anos: o extintor de incêndio.




Eis que chega una nave espacial e dela desembarcam dois ragazzos curiosos: Uno é o Pedrinho Aguinaga vestido de Luke Skywalker, otro é o Emil Rached travestido de "Chewbacca dos pobres". Pedrinho era una espécie de "Gianecchini" dos anni 70 e foi casado com a Monique Evans, e Emil Rached do alto de seus 2,20m (quase a mesma altura do Chewie original, Peter Mayhew), foi jogador de basquete e "escada" (TUDUMPSHHH!) no programa dos Trapalhões.



O nosso Luke, príncipe Flick, pede ajuda pois seu planeta está em  perigo nas mãos de uno tirano chamado Zuco (Darth Vader) que quer tomar a otra metade do computador Cérebro (una metade está com Flick) como resgate pela princesa Myrna, noiva do príncipe (NOTA: Como que divide uno computador em dois? Geralmente nesses filmes você tem duas metades de uno medalhão que você precisa unir para ganhar poderes ou usar como mapa, agora computador... Buono, era a moda da época, ficção científica e tal).

Vê se non lembra o ragazzo lá da Turquia
Eis que Didi Mocó solta una frase que resume bem a sua imagem de arrogante fora das telas: "Mas, Seu Flicka o quê que nóis tem a ver com essa escaramuça aí?". Ele faz pocco caso da situação do planeta do Flick enquanto Dedé é solícito e lhe oferece ajuda. Aí Didi Mocó solta otras pérola do egoísmo "Sim, mas dependendo das pila... que nóis vai ganhar...", "Sim, pila: bufunfa, carvão, arame, lodo, sorbonna...". Vejam só, bambinni, que farabutto! Imagina se o Han Solo iria pedir recompensa para salvar a Princesa Léia...OH WAIT!


Aliás esse filme deve ser uno dos que reúnem mais "pérolas" do Didi Mocó. Ao descobrir que a recompensa é o peso de cada uno em oro, ele solta mais essa: "Só com a poupança do Mussum dá pra comprar o Piauí". O melhor de tudo é que provavelmente essa fala NON estava no roteiro, o Mussum foi pego de surpresa e SE IRRITOU DE VERDADE com a brincadeira (o que aliás era comum no programa de TV)


Os 4 então entram na nave (non sem antes se assutarem com "Bonzo", O Chewbacca brasileiro), levando o jipe Duda e protagonizando otra sequência longa, quase sem diálogo, só com algumas brincadeiras físicas, à moda do grupo.


Chegando no planeta, vemos uno deserto, semelhante a Tatooine e aí vem una sequência de luta que se non fosse a trilha sonora seria digna do Star Wars Turco, pois é coreografada de forma bem tosca e os inimigos são pobres figurantes fantasiados (só que qui, em vez de monstros de pelúcia, temos algo parecido com os "Tusken Raiders" do filme original). Detalhe para a câmera lenta valorizando demais os "golpes" dos heróis e diminuindo consideravelmente o ritmo do filme.


Após a briga, Zuco, foge com a princesa e o quarteto encontra com unas mulheres avulsas que serão os interesses românticos de cada uno no filme. O melhor fica por conta da expressão que Didi faz ao perceber que os companheiros estão mais interessados nas suas paqueras do que em resgatar a princesa


Príncipe Flick tem una idéia de onde procurar a princesa e leva a turma a una danceteria (Cantina Mos Eisley?) encontrar Igor (Carlos Kurt, o alemão neurastêmico, usando qui, una roupa parecida com a do Imperador Palpatine) e  tentar arrancar dele alguna informação sobre o paradeiro da Princesa Mirna. Enquanto os dois brigam, o quarteto humorístico e suas novas namoradas "fervem" e arrumar briga no salão:



Durante a briga, Didi descobre duas armas. Ninguém aparece para explicar seu funcionamento. Ele simplesmente testa una delas nos monstros avulsos que tem lá e descobre que ela solta raios desintegradores.




Após a briga, os Trapas ficam com fome. A namorada de Zacarias oferece pílulas para os ragazzos, dos mais diferentes sappores (feijoada, frango etc.). Eis que Didi solta mais una pérola do seu repertório de egoísmo: "Eu quero comida que faz bucho na barriga, engordar! Você não prometeu nosso peso em ouro?" Não é a toa que nos comentários sobre o filme no You Tube, os gringos se refiram a ele como "a balding Han Solo" (Uno Han Solo calvo).

"Quero agasaiá uma massa que faça bucho, faça peso. Negócio de pílula o quê!"
Enquanto procura una comida mais pesada, Didi encontra unos ovos gigantes. Ansioso para fazer omelete, o cearense descobre que dentro de uno deles há uno marmanjo vestido de pássaro, o que deixa o filme mais ridiccolo.


Acidentalmente, ele descobre o paradeiro dos soldados de Zuco e avisa o restante da turma. Ao explorar o ambiente, eles vão parar em una "caverna da zona magnética" com una aranha gigante, quer dizer, na verdade una aranha em tamanho natural filmada de baixo para cima para parecer gigante, fora os efeitos de chroma key usados para deixar os nosso heróis minúsculos perto dela. Igual no "Chapolin Colorado"


Passado o susto com a aranha, os heróis acham uno lugar para descansar. Logo chega Bonzo com una "lâmpada fluorescente" (ninguém me convence que é otra cosa), do qual sai una voz (!!!) com una mensagem de Zuco (que holograma que nada!). A mensagem convoca Flick a , desarmado, trazer a otra metade do computador caso contrário será a morte da princesa.



Saindo de lá, vem otra das cenas mais icônicas desse filme: A parte em que os Trapalhões são trollados per frutas (!!!) flutuantes e per homens invisíveis. O engraçado da cena é que ela é totalmente gratuita e non tem nada a ver com Star Wars original.


Então nostros heróis chegam ao encontro de Zuco levando una caixa com a otra metade do tal computador. Só que Zuco é ardiloso e em vez de entregar a princesa Mirna a Flick, entrega uno capanga seu disfarçado e aproveita que os ragazzos estão desarmados e os captura, prendendo-os em una espécie de "pau-de-arara" (imagine una cena dessa no cinema em tempos de Ditadura) com espetos de ferro embaixo deles (no caso do Mussum embaixo da "poupança"). A corda que os sustentava iria queimando lentamente até o momento em que rompesse e aí... (É o Darth Vader ou o Jigsaw?). Mas eis que ele tem una surpresa:


O mais engraçado dessa cena é que em vez do Didi usar a arma que tem para desintegrar o vilão ele prefere paralisá-lo e ficar fazendo graça em vez de acabar logo com a raça do maledetto. Mas se não fosse assim non seria o Didi. Depois de mais una sequência de luta em câmera lenta e mal coreografada. Zuco e os capangas são capturados, Flick consegue a otra metade do computador, "desbloqueia" a sua aldeia e todos vivem felizes para sempre.



Nem todos. Quem acompanha a carreira cinematográfica dos Trapalhões deve ter notado que em vários filmes, o Didi faz de tudo, salva o dia, mas no final a mocinha fica com otro ragazzo, mais jovem e mais belo. É o que acontece, per exemplo em "Uma Escola Atrapalhada". Non dá para entender per que ele fez isso qui, neste filme, afinal foi ele quem escreveu o roteiro e o pior, colocou uno elemento trágico em una história pretensamente infantil: Quando Zuco tirou o molde do rosto da Princesa Mirna, ela MORREU. Pelos costumes do planeta, Flick tem que se casar com sua cunhada, que no caso, é a namorada do Didi, o que leva o Trapalhão às lágrimas. CAZZO DIDI, É UNO FILME PARA BAMBINNI! PER QUE FAS ISSO, DOTORE RENATO?


Para que o filme non tenha uno final triste, depois que a nave de Flick traz os Trapalhões de volta à Terra, eles aparecem dormindo, sem as namoradas, como se tudo tivesse sido uno sonho, mas quando acordam vêem que o jipe Duda está lotado de oro (o próprio jipe virou oro). Ou seja, na lógica do Didi, você pode ficar sem donna, mas ficará rico.


Vendo o filme hoje você non imagina que ele levou mais de 5 milhões de espectadores ao cinema, RIVALIZANDO COM O STAR WARS ORIGINAL (seria o efeito Globo?). vale lembrar que na época cinema ficava na rua, non dentro de shopping e o ingresso era bem mais barato. Dos filmes do quarteto, só perde em bilheteria para "Os Trapalhões nas Minas do Rei Salomão" e "Os Saltimbancos Trapalhões".


O filme está disponível na íntegra no You Tube . Há una crítica a ele, bem melhor que a minha no Filmes Para Doidos. Non perca nos próximos dias, otros filmes para ver antes do mundo acabar. Para ver a lista dos que já foram resenhados vá até o fim do post. Arrivederci!


Cotação:

4/10 cabeças de cavalo - Melhor que "A Ameaça Fantasma"

Fontes:

http://filmesparadoidos.blogspot.com.br/2010/10/os-trapalhoes-na-guerra-dos-planetas.html

Outros filmes para ver antes do mundo acabar:

#12 Cinderela Baiana
              
 #11 Uma Escola Atrapalhada 

#10 Kung Fu Contra as Bonecas

4 comentários:

  1. Ah, sensacional! Engraçado você ter mencionado que o Mussum ficou bravo com o Didi numa das cenas; eu li na biografia dos Trapalhões que o grande amigo do Mussum no grupo era o Dedé Santana: a relação daquele com o Didi era puramente profissional.

    ResponderExcluir
  2. Respostas
    1. O nome do livro é "Os Adoráveis Trapalhões", Editora Matrix.

      Excluir